Minhas Páginas

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Belezas...

Só veem as belezas do mundo aqueles que têm belezas dentro de si.

12 comentários:

  1. oi Ani,

    e é assim mesmo,
    os de mau humor só enxergam nuvens escuras...
    que horror!!!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Uma frase reducionista, peremptória. Não, Ani, com todo respeito, não posso concordar. Todos nós temos luz e sombra no nosso interior.
    Mesmo assim, linkei teu blog e gosto de vir aqui.
    Bommmm diaaaaa!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. ANI,

    a frase da nossa maior perda dos últimos meses Rubem Alves é absolutamente correta e deve ser lida e entendida no conjunto da sua obra, com os olhos dos encantamentos que o autor semeava por necessidade determinada de tornar a vida mais pedagogicamente mais fácil de ser absorvida, quando disse:

    -"Enquanto a sociedade feliz não chega, que haja pelo menos
    fragmentos de futuro em que a alegria é servida como
    sacramento, para que as crianças aprendam que o
    mundo pode ser diferente. Que a escola,
    ela mesma, seja um fragmento do
    futuro..."

    Aqui outra observação pois,Rubem Alves classificava as escolas como "Gaiolas",aquelas que não incentivavam os alunos a voarem e as outras que incentivavam.

    "Incentivavam",reafirmava e não "ensinavam", pois, a vontade de voar já nasce com a gente!

    Por outro lado e de, nenhum modo, deve-se cometer uma injustiça literária ao autor ao negar-lhe suas sombras e tão difundidas em suas obras,as quais ele as chamava de "cacos" internos.

    A frase que você pinçou é absolutamente correta de uma fase de renascimento psicológico e existencial de Rubem Alves ,na qual ele precisava exorcizar suas próprias "sombras" e o fez de maneira antológica, na sua obra :

    Do universo à jabuticaba que a seguir transcrevo trecho:

    -“A vida se retrata no tempo formando um vitral de desenho sempre incompleto, de cores variadas, brilhantes, quando passa o sol.
    Pedradas ao acaso acontece de partir pedaços ficando buracos irreversíveis.
    Os cacos se perdem por aí.
    Às vezes eu encontro cacos de vida que foram meus, que foram vivos. Examino-os atentamente tentando lembrar de que resto faziam parte.
    Já achei caco pequeno e amarelinho que ressuscitou de mentira um velho amigo. Achei outro pontudo e azul, que trouxe em nuvens um beijo antigo. Houve um caco vermelho que muito me fez chorar, sem que eu lembrasse de onde me pertencera.” Quem escreveu isso foi minha amiga Maria Antônia, poeta que escreve delicadezas. Escolhi esse poeminha dela para explicar esse livro que você tem nas mãos e que eu escrevi. Esse livro é uma coleção de cacos. Perguntaram-me das razões por que não escrevo romances e novelas. A resposta é simples: porque sou incapaz de fazer vitrais, os cacos coloridos todos encaixados um nos outros, formando um desenho. Olhando um vitral a gente não vê os cacos; vê o desenho. Acontece que o que me fascina não é o vitral. São os cacos, do mesmo jeito que a Maria Antônia descreveu. O que me intriga são os fragmentos que pedradas ao acaso tiraram do vitral. Um romance, uma novela – são as contas, amarradas umas nas outras formando um colar. Mas eu não consigo amarrar as contas soltas que vou catando pelos caminhos da vida. Não conseguindo amarrar os cacos, só me resta guardá-los num bolso. Esse livro é um bolso cheio de cacos – e a gente vai brincando de retirá-los um a um"

    Exatamente,Ani e diferentemente das novelas da Globo que jogam os cacos da mixórdia e sordidez humanas nas nossas caras, Rubem Alves sabia colocar seus cacos-sombras para fora de uma maneira elegante,inteligente,o que faz de todos aqueles que o leram, orgulhosos por ele ter existido.

    Eu li e continuo lendo Rubem Alves esse incrível escritor, agradecendo por ele ter feito nossa cabeça, diferente, mas muito diferente mesmo, de um telespectador de novelas , cuja grande maioria não sabe fazer interpretação de textos, pois, contenta-se com a sujeirada e imoralidade que seus olhos veem na telinha e se consideram satisfeitos.

    Parabéns Ani, pela sua extrema e reconhecida sensibilidade,aqui demostrada na escolha desta frase!

    Um abração carioca

    ResponderExcluir
  5. Pelo nosso olhar podemos ver o dos outros...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Pura verdade... Sem mais!

    Beijos amiga Ani!

    ResponderExcluir
  7. Poucas palavras que representam a realidade...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Ani! Sim, há períodos em que ficamos cegos, e conseguir enxergar as belezas em volta revela a consciência de que estamos buscando estar bem por dentro. Um abraço!

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar um momento seu aqui comigo...